Este curso aborda o fundamento bíblico, teológico e histórico das disciplinas clássicas da vida espiritual como meios de graças através dos quais a pessoa humana exerce vontade relativa e independente, de se dispor integralmente para um relacionamento cooperativo com Deus. Especial atenção é dada à oração como a disciplina fundamental para o engajamento do indivíduo em uma vida prática de oração e da sua comunidade.

Nesta disciplina o estudante terá contato por meio de leituras e experiências pessoais do uso que faz das tecnologias modernas no seu dia-a-dia no contexto de seu ministério pastoral. Isso inclui a experiência prática com vários aspectos da computação e seus periféricos, programas para computadores, redes de serviços, e e-mails, etc.

Nesta disciplina os alunos terão contato com a dinâmica da formação espiritual
dentro do contexto da vida urbana, inter-relacionando a atividade ministerial
com a atividade cívica. O ponto central é perceber a diferença que há na
formação da espiritualidade desenvolvida sob o regime das instituições religiosas
e a espiritualidade cívica ou laica, desenvolvida a partir do cuidado e na reação
propositiva diante das injustiças e a favor da defesa do direito, do respeito e da
preservação das pessoas e seu espaço de vida. Por isso, o foco dessa disciplina é a
construção de uma compreensão objetiva dessa espiritualidade que se manifesta na
atitude de cuidado, justiça, proteção, companheirismo, solidariedade presentes no ser
humano que não se esgota nas expressões subjetivistas da espiritualidade religiosa.
A espiritualidade cívica exige ir mais além, e se fundamenta na ação prática a favor
do bem. Estes são aspectos que configuram a espiritualidade em seu deslocamento
do âmbito religioso da instituição para o âmbito cultural. Devido ao modo de se
manifestar em situações específicas, a espiritualidade cívica nos remete aos grupos
de riscos e necessitados de auxílio social e outros, sem intenções conversionistas,
como expressão de humanidade. Também é característica necessária e marcante da
espiritualidade cívica sua abertura para o diálogo, incluindo o diálogo-inter-religioso
e para as questões da ecologia. A espiritualidade cívica exige que a Igreja mostre sua
cara nas devidas situações da vida para a devida crítica e mudança dessas situações.

Esta disciplina tem como alvo descobrir a dinâmica da liderança no contexto da vida
urbana e ministério, integrando questões de justiça social e piedade pessoal. Especial
atenção é dada à experiência latino-americana, e aplicação prática no contexto
ministerial de cada aluno, individualmente.

Investigação da dinâmica de movimentos de renovação espiritual entre o povo de
Deus, desde os profetas pré-exílio no antigo Israel até os movimentos de renovação
contemporâneos na igreja cristã no século 20. A análise dessa investigação baseiase
nas perspectivas da teologia, psicologia e sociologia, com um foco nas maneiras
com que estes movimentos melhoraram ou inibiram a formação do caráter
pessoal. Atenção é dada para a aplicação da dinâmica de renovação para situações
contemporâneas.

Estudo dos fundamentos da leitura crítica e da pesquisa científica. Prática de elaboração de resumos, esquemas e resenhas. Orientação metodológica para confecção de projeto de pesquisa, dissertações e teses.

Estudo das dinâmicas envolvidas na transformação da personalidade humana, com a finalidade de neste processo compreender aspectos específicos da condição humana e do processo de formação dos hábitos de santidade. Perceber como essas compreensões são construídas a partir de análises: bíblica, teológica, histórica, psicológica e sociológica. Explicar de uma forma específica como a formação espiritual é aplicada às diversas situações do exercício do ministério.

Estudo dos meios através dos quais as disciplinas teológicas, as humanidades e as ciências comportamentais podem ser integradas e aplicadas às tarefas do ministério. O foco deste processo de integração é a formação espiritual de indivíduos e comunidades segundo o modelo de Cristo (imitatio Christi). A aplicação prática necessária desse processo é feito na vida comunitária da Igreja.